Setor portuário teme interrupção na hidrovia Tietê-Paraná

November 9, 2017

Previsão é de que navegação na hidrovia será paralisada após safra de grãos, em dezembro

 

 

A possibilidade de interrupção da navegação na hidrovia Tietê-Paraná é real e preocupa transportadores de carga e usuários do Porto de Santos. A paralisação do tráfego na via navegável deve acontecer após o fim da safra de grãos, em dezembro. O tema foi discutido durante o Fórum Conheça o Porto, que aconteceu na noite da última segunda-feira (6), no auditório da Universidade Católica de Santos (UniSantos). 

 

Promovido por A Tribuna, o evento integra o projeto Conheça o Porto, uma iniciativa do Grupo Marimex, com o apoio da Praticagem de São Paulo. Esta 7ª edição do fórum também teve o apoio da UniSantos.

 

Para discutir os desafios para a implantação do modal hidroviário no cais santista, participaram do fórum o consultor Rui Gelehrter, o engenheiro do Departamento Hidroviário do Estado (DH) Pedro Victoria Júnior e o diretor de Relações com o Mercado e Comunidade da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Cleveland Sampaio Lofrano. E também a coordenadora do curso de Engenharia Civil da UniSantos, Márcia Aps, e o professor de Portos, Rios e Vias Navegáveis da universidade, Juarez Ramos da Silva.

 

A mediação do debate ficou a cargo do editor de Porto & Mar, Leopoldo Figueiredo.

 

Segundo os especialistas em logística, o transporte hidroviário é mais limpo, eficiente e tem os menores custos operacionais na comparação com os outros. Uma barcaça é capaz de transportar até 1,3 mil toneladas de mercadorias. Para atingir esse volume seriam necessários 25 caminhões. 

 

O engenheiro Pedro Victoria Júnior, do DH, vê como um risco real a interrupção do transporte de cargas na hidrovia Tietê-Paraná. Mas, segundo ele, desta vez o Operador Nacional do Sistema (ONS) criou um fórum com especialistas em meteorologia para debater a questão. 

 

 

Para esta quarta-feira (08), está prevista nova reunião que vai definir a manutenção da cota dos reservatórios de Ilha Solteira e Três Irmãos em 325,4 metros acima do nível do mar. Atualmente, seu trecho mais raso tem 3,1 metro de profundidade e as barcaças precisam de ao menos três metros para trafegar totalmente carregadas e sem restrições. 

 

O temor é de que o desvio de sua água para os reservatórios das hidrelétricas, a fim de garantir a geração de energia, inviabilize as operações da hidrovia. 

 

“Por enquanto, a navegação está mantida até o dia 15. Uma alternativa é aguardar até o fim da safra, em 15 de dezembro, quando o volume transportado na hidrovia é reduzido. Depois, com as chuvas de fevereiro, a situação pode se restabelecer”, destacou o engenheiro. 

 

Acessos portuários

 

Para o diretor da Codesp Cleveland Lofrano, se isso se concretizar, os acessos ao Porto de Santos não serão comprometidos. No entanto, para a coordenadora dos cursos de Engenharia da UniSantos, Márcia Aps, o temor é de que, com a temporada de verão, quando o volume de veículos que descem a Serra do Mar com destino às cidades da Baixada Santista é intensificado, sejam registrados congestionamentos nos acessos rodoviários à região. 

 

Hidrovia do Porto 

 

Pensando em reduzir os custos do transporte de cargas, a Docas pretende concluir até 29 de dezembro o projeto da Hidrovia do Porto de Santos. O cronograma ainda pode ser antecipado, segundo Lofrano.

 

A iniciativa da Docas prevê utilizar rios e canais de navegação da região para o transporte de cargas entre pontos do cais e entre o complexo e a área retroportuária. Uma das opções é ter uma linha de barcaças ligando o terminal da Usiminas, no Canal de Piaçaguera, em Cubatão, e a Libra Terminais, na Ponta da Praia, em Santos. 

 

A estimativa é de que 350 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) sejam transportados pela hidrovia por ano.

 

A ideia é que as cargas virão da Capital ou do Interior até o cais da Usiminas por ferrovia e, lá, serão embarcadas em barcaças e seguirão até os terminais, explicou Lofrano. 

 

“O regramento foi encaminhado à Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) e estamos esperando essa aprovação. A nossa ideia é que esse primeiro momento seja um período de isenção para atrair cargas ao modal, uma espécie de carência”, destacou o diretor da Autoridade Portuária. 

 

 

 

Contra tarifas

 

Para o consultor Rui Gelehrter o ideal é que o transporte hidroviário não seja tarifado. “Não pode ter tarifa. Se caminhão não tem, barcaça também não pode ter. O maior incentivo é não taxas. Por favor, não vamos estragar a matriz ideal”. 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Phone:          (19) 3054 5445

 

Mobible :      (13) 99737 6823

Thanks for your visite !
Apresentação Brasfreight PT/BR

Brasfreight Presentation Download

Organization Chart
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube ícone social
  • Blogger Social Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now